Buscar

Colbert exonera quem não precisa, mas não consegue nomear ninguém


Atitude de neófito na política, a do veterano prefeito Colbert Martins, ao exonerar, de imediato, indicados de Roberto Tourinho, logo após este tomar a iniciativa de pedir, em vão, uma CPI para o escandaloso caso COOFSAÚDE.

A leitura que fica é: para o prefeito, pode roubar. O que não pode é pedir que o roubo seja investigado e punido.

Claro, a intenção de Colbert é demonstrar autoridade. Mas sua autoridade não está em questão pelo fato de um vereador - ainda que até então governista - pedir que seja aberta uma CPI. Isso faz parte do jogo. Quem pediu, sabia que não passaria.

A autoridade do prefeito é desfeita por ele mesmo, ao não tomar a iniciativa de mover uma peça sequer de uma administração que não é dele, mas do antecessor.

Mesmo diante de um episódio que, a se dar crédito às informações expostas pelo Ministério Público estadual, é o maior caso de corrupção já revelado em Feira de Santana. E na área mais crítica de todas, porque mexe com a vida das pessoas e é motivo maior de queixas da população. Área que por coincidência é a de formação profissional de Colbert. Um estrago que, atestam os promotores, não poderia ser operado só pelo lado de fora, da iniciativa privada, sem que de dentro do município agisse alguém (ou vários), passiva ou ativamente.

Sabe qualquer um que não tenha interesses e benefícios diretos com a manutenção do status quo, que a cidade há anos vive mergulhada numa paralisia em absolutamente todos os aspectos que dizem respeito à melhoria das condições de vida da população. Quando não se dispõe a modificar nada, Colbert Filho ou acha que está tudo ótimo, ou não tem autonomia para administrar como lhe pareça melhor.

Voltando ao ponto inicial, a iniciativa de exonerar aliados de Tourinho joga contra o prefeito e só dá ao vereador a oportunidade de tirar maior proveito político. Lembrando que este considera a possibilidade de se candidatar ao Executivo em 2020.

Quando Ronaldo ainda era prefeito, ouviu dois ou três arroubos semelhantes do mesmo Tourinho. Que ao final ainda lançava o desafio, como o fez também na quarta-feira (06). "Pode exonerar meus indicados". Ronaldo se fingia de morto e o rio voltava ao seu curso, como se nada tivesse acontecido.

Esta orientação o ex não deve ter compartilhado com seu sucessor.

0 comentário
BNI-02-728x90px_BAHIA-MEU-ORGULHO (1).pn

Sala de Notícia - Todos os Direitos Reservados