Buscar

Títulos de cidadania no atacado

Os parlamentos são importantes instrumentos da democracia.

Ali, o povo expressa sua vontade através seus representantes, ou diretamente quando algum cidadão ocupa a tribuna popular.

O parlamentar seja vereador, deputado ou senador deve exercer seu múnus com o único objetivo de beneficiar a comunidade.

Ele pode projetar iniciativas arrojadas, ou quedar-se omisso no quatriênio, tornando-se peso morto e caríssimo para o povo; muitos se elegem para auferir vantagens ou atender projetos pessoais, inclusive abusando do poder político, econômico ou religioso – cujo crime eleitoral é o mesmo. Mas, há, ainda, os que pensam que, em um cargo político, podem encontrar abrigo para as vilanias que praticam... O Congresso é um exemplo.

A Câmara de Feira de Santana tem um histórico da passagem de grandes edis, antes e depois da conhecida Casa da Cidadania, construída sobre as masmorras da antiga Cadeia Pública. E nada ganhavam os nossos “homens bons”, herdeiros de uma das mais caras tradições coloniais.

Muitos edis pensam que sua função é apenas conceder títulos de cidadania. Houve época, em que as Câmaras restringiam o número de proposituras dessa natureza, até por contenção de despesas. Hoje, tais honrarias brotam nas edilidades em escala compatível com uma produção da era industrial... Essa pletora de títulos vulgariza a honraria e, enquanto o agraciado se julga digno da homenagem (e pode ser mesmo), o outorgante está de olho em vantagens que sua bajulação lhe renderá em votos, prestígio social ou mesmo imunidade judiciária.

Em certo município, um edil conhecido por provocar litígios descobriu fórmula sagaz de travar seus processos na Justiça: concedeu títulos de cidadania a quase todos os juízes. E, com isto, seus processos passaram a ficar paralisados, pois os probos agraciados terminavam se dando por suspeitos... Golpe sujo, mas que deu resultado no forum...

Sala de Notícia - Todos os Direitos Reservados