Buscar
  • Globo Esporte

STJD determina interdição do Joia da Princesa; Fluminense de Feira vai recorrer


O Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol (STJD) determinou a interdição do estádio Alberto Oliveira, conhecido como Joia da Princesa, em Feira de Santana. De acordo com a decisão, foram cometidas infrações durante a partida entre Fluminense de Feira x Santa Cruz, realizada no dia 31 de janeiro, válida pela Copa do Brasil e vencida pela equipe baiana.

Na súmula do jogo, o árbitro Jean Pierre Goncalves Lima relata que aos quatro minutos do primeiro tempo foi arremessado um objeto explosivo próximo a torcida do Santa Cruz, vindo de fora do estádio. Gonçalves acrescenta que o policiamento tomou as devidas providências e isso não interferiu no andamento do jogo.

Na decisão do STJD, os auditores decidiram pela interdição do estádio por infração ao Artigo 211 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). O artigo prevê punição para quem “deixar de manter o local que tenha indicado para realização do evento com infraestrutura necessária a assegurar plena garantia e segurança para sua realização”. O documento completa que a decisão será mantida até “que se resolvam as pendências constantes no Relatório da Polícia Militar da Bahia, comunique-se ao Clube Fluminense de Feira, Federação Baiana de Futebol e a Prefeitura de Feira de Santana por ser a proprietária do Estádio”.

Neste mesmo jogo, o Fluminense ainda foi multado em R$ 4 mil, mais a perda de um mando de campo por infração ao Artigo 213 inciso I do CBJD, que fala em “deixar de tomar providências capazes de prevenir e reprimir desordens em sua praça de desporto”. Além disso, o clube foi multado em mais R$500, por infração ao inciso II do CBJD, que prevê punição por “invasão do campo ou local da disputa do evento desportivo”.

Luiz Paulilo, vice-presidente do Fluminense de Feira afirmou que o clube vai entrar com um recurso contra a decisão ainda nesta terça-feira.

- A gente está tomando providência. Inclusive está tendo reunião agora. Falaram que invadiram o campo, mas isso não aconteceu. Falaram que não teve iluminação, e teve iluminação. Teve a briga dos torcedores do Fluminense com os do Santa Cruz, mas de lá de fora. Não tem nada a ver com o estádio. Tenho certeza que a gente vai ganhar porque temos prova que não houve invasão, que a iluminação estava funcionando – garantiu Paulilo.

Além de Fluminense de Feira, o Bahia de Feira, clube que também manda os jogos no Joia da Princesa, é afetado pela decisão. Mayara Correia, vice-presidente do clube, espera que o recurso enviado protocolado pelo Fluminens de Feira seja julgado o mais breve possível, já que o Bahia de Feira tem partida marcada para o estádio na próximo domingo, contra o Atlântico.

- Acabei de ficar sabendo. A própria prefeitura e o Fluminesne estão entrando com recurso amanhã para ser julgado em caráter de urgência. Acredito que seja resolvido está quarta-feira. O Bahia de Feira, como parte interessante, nem foi comunicado da decisão.

Uma reunião foi realizada na manhã desta terça envolvendo representantes da Polícia Militar, do Fluminense de Feira e da Secretaria de Esportes e Serviços Públicos de Feira de Santana. No relatório da PM, a polícia fala em três pontos para melhoria do Joia: na iluminação externa, na estrutura dos alambrados para separação das torcidas, bem como na orientação dentro o estádio, como placas.

#FluminensedeFeira #JoiadaPrincesa #interdição

728×90_MAIS_SAÚDE_BAHIA_0520_ACOES_FEI

Sala de Notícia - Todos os Direitos Reservados