Buscar

Contra o machismo, escola incentiva meninas a prática de artes marciais


Meninas fortes, empoderadas, capazes de se defender e vencer preconceitos. Esta é a tônica do Projeto “El@ Luta”, que pelo segundo ano consecutivo movimentou a Escola Municipal Chico Mendes, do bairro Campo Limpo, nesta segunda-feira, 27. A iniciativa da escola oferece oficinas de artes marciais, visando disseminar a prática entre os estudantes e desmitificar entre eles a ideia de que mulheres não lutam.

Segundo a idealizadora do projeto, a professora de Educação Física, Liamara Martfeld, o “El@ Luta” surgiu a partir da necessidade de enfrentar o machismo dentro da escola. “As meninas eram sempre as últimas a serem chamadas para os grupos de atividades físicas, não achavam que eram capazes de se sentir forte e se defenderem, muito menos de praticarem artes marciais. Consideravam tudo isso ‘coisa de homem’”, conta Liamara.

De acordo com a professora, “é preciso quebrar os preconceitos ainda enraizados e mostrar que meninos e meninas podem praticar os mesmos esportes”, defende.

Inspiradas pelo projeto, algumas estudantes da escola já começaram a praticar diferentes lutas, como é o caso de Bianca Oliveira Bispo, do 6º ano. “Tive contato pela primeira vez com a capoeira na edição do ano passado, me interessei e comecei a praticar. Minha turma, que antes só tinha rapazes, hoje tem várias meninas”, relata.

Defesa pessoal, boxe, capoeira, karatê, MMA, jiu jitsu, judô, kickboxing e muay thai foram as modalidades apresentadas na escola. “As artes marciais não apenas ensinam a lutar e a defender, mas também valores como respeito ao próximo, disciplina e cuidado com o outro”, orienta Gigliola Souza Santos, que é praticante de judô.

Sala de Notícia - Todos os Direitos Reservados