Buscar

ONU diz que 2017 será ano mais quente já registrado sem El Niño


A Organização Meteorológica Mundial, agência da Organização das Nações Unidas para o clima, afirmou que 2017 deve se tornar o ano mais quente já registrado, excluindo-se aqueles em que houve impacto do fenômeno do El Niño. A OMM disse que o atual será um dos três anos mais quentes da história, após 2015 e 2016, biênio marcado pela influência do poderoso El Niño, que pode contribuir para temperaturas mais altas. O ano passado estabeleceu o novo recorde para a temperatura média global. O alerta é feito no início da mais recente conferência sobre mudança climática da ONU, realizada em Bonn, na Alemanha. A OMM diz que indicadores importantes de mudanças climáticas, como as crescentes emissões de gás carbônico na atmosfera, a elevação do nível do mar e a acidificação dos oceanos, "continuaram sem interrupção" neste ano. A entidade disse que a temperatura média global entre janeiro e setembro deste ano ficou cerca de 0,5 graus Celsius mais quente que a média de 1981 a 2010. Diplomatas e ativistas se reúnem na Alemanha para duas semanas de conversas sobre a implementação do acordo de Paris para combater a mudança climática. Grupos de ambientalistas realizaram protestos na cidade do oeste alemão e em uma mina próxima, antes da reunião, para ressaltar o uso continuado pela Alemanha de combustíveis muito poluentes. A conferência foi aberta pelo primeiro-ministro de Fiji, Voreqe `Frank' Bainimarama. A ilha no Pacífico já sofre com os impactos do aquecimento global. A autoridade disse que é preciso cumprir os compromissos integralmente, não recuar deles. O Acordo de Paris, de 2015, busca impedir que a temperatura global aumente mais de 1,5 grau Celsius. O premiê de Fiji não citou diretamente o anúncio do presidente dos EUA, Donald Trump, de retirar o país do Acordo de Paris a menos que seu governo consiga condições melhores.

Fonte: Associated Press

Sala de Notícia - Todos os Direitos Reservados